Fumar pode afetar duração de amamentação

Fumar pode afetar duração de amamentação

Fumar ou estar em um ambiente de fumo passivo pode afetar amamentação dos bebês

Fumar pode afetar duração de amamentação

Os pesquisadores descobriram que as mães que tem contato com a fumaça do cigarro param de amamentar mais cedo do que as mulheres que não tem contato.

O estudo, realizado em Hong Kong, envolveu mais de 1.200 mulheres de quatro grandes hospitais, explica a professora Marie Tarrant, diretora da Escola de Enfermagem da UBC Okanagan, cuja pesquisa se concentra na saúde materna e infantil.

“Nosso estudo mostrou que apenas estar em uma família de fumantes reduziu o tempo de amamentação da criança”, diz Tarrant. “De fato, quanto mais fumantes havia em casa, menor a duração da amamentação”.

Este estudo, diz Tarrant, é um dos primeiros a examinar o efeito do cigarro na duração do da amamentação em Hong Kong depois que o país realizou mudanças substanciais nas regulamentações de controle do tabagismo em 2007.

“Nossos resultados foram consistentes com estudos anteriores e descobrimos que a exposição a fumantes domésticos também teve um efeito negativo substancial sobre a amamentação”, diz Tarrant. “Mais de um terço dos participantes tinham cônjuges ou outros membros da família que fumavam. E os pais que fumavam eram significativamente menos propensos a preferir a amamentação quando comparados com parceiros não-fumantes”.

A nicotina é transmitida no leite materno para a criança e Tarrant diz que há também a chance dela reduzir a quantidade total de leite materno. Há também a preocupação com a exposição ambiental do fumo passivo na criança.

“Nosso estudo mostrou que os cônjuges fumantes podem afetar a decisão da mãe de interromper a amamentação e que a exposição ao fumo está fortemente associada a uma duração mais curta da amamentação”.

Tarrant diz que é recomendável que as mulheres e suas famílias parem de fumar antes de engravidar e que as mães esperem até que tenham terminado a amamentação, se decidirem recomeçar a fumar. E ela recomenda que, se uma mulher escolher fumar com um bebê em casa, garantam que a criança não seja exposta a fumaça.

“Sabemos que os efeitos do fumo em bebês são muito prejudiciais, já estes bebês são mais propensos a infecções respiratórias e outros problemas”, diz Tarrant. “No entanto, se uma mãe está amamentando, os benefícios dela ainda superam os efeitos negativos do fumo, desde que ela mantenha uma boa higiene e não exponha o bebê à fumaça.”

A Frade Said é uma clínica de Ginecologia, Mastologia, Obstetrícia, Ortopedia e Uroginecologia completa em São Paulo esperando por você. Confira mais posts do nosso blog Saúde da Mulher, entre em contato conosco ou agende sua consulta.

Artigo originalmente publicado em Science Daily.



Fale via Whatsapp